Brasil debate na França a perda de talentos para outros países

O ministro do Trabalho e Emprego do Brasil, Manoel Dias, encerrou nesta terça-feira (02), sua participação no Fórum de Alto Nível de Política sobre Migração em Paris (França), com um debate sobre atração, seleção e retenção de capacidades – o problema enfrentado por países que perdem seus talentos para outros países e pelas nações que necessitam de especialistas para o atendimento de suas demandas. Dias detalhou as propostas para a nova política migratória brasileira, que está orientada a contribuir com a permanência e o estabelecimento dos migrantes com foco no atendimento das necessidades do Brasil.

De acordo com o ministro, o Conselho Nacional de Imigração, órgão do Ministério do Trabalho e Emprego, por meio de diálogo entre governo, trabalhadores e empregadores, tem debatido propostas de alteração da legislação migratória brasileira de forma a dotá-la de instrumentos de gestão que permitam a vinda de trabalhadores altamente qualificados de forma simples, rápida e com baixa burocracia. “De nosso ponto de vista, há três ordens de questões que afetam a capacidade de atração de talentos: a primeira é a política migratória do país; a segunda é a forma como o país acolhe os migrantes com alta capacidade e a terceira são as condições gerais de vida no país”, comentou.

Para Dias, a forma como o país acolhe seus migrantes e as condições gerais de vida no país são fatores tão ou mais importantes do que a política migratória em si. Ele disse que, muitas vezes, um país tem uma política migratória acolhedora para imigrantes, mas ao chegar a esse país há tantos obstáculos para o exercício de direitos essenciais à cidadania que muitos migrantes acabam por desistir do país. “Os maiores obstáculos costumam ser a dificuldade e demora na emissão de documentos de residência e trabalho no país, a revalidação de diplomas e títulos acadêmicos e outros certificados; a dificuldade no cumprimento das normas para o exercício de profissões regulamentadas; a dificuldade na abertura de conta bancária e inscrição na seguridade social; problemas na obtenção de licença de motorista; ocorrência de bi-tributação de impostos entre o país de origem e de residência; alto custo e dificuldade para realizar remessas a seus países de origem; entre outros obstáculos”, continuou.

O ministro brasileiro destacou que os migrantes com alta qualificação devem ter a possibilidade de ingresso no país para procura de trabalho por um tempo determinado, e não ficar adstrito a serem recrutados no exterior pelo empregador. Devem, ainda, ter ampla possibilidade de mudança de empregadores, sem que isso afete sua condição migratória. “É, também, de grande importância que sejam oferecidos procedimentos migratórios de prorrogação de estada e de transformação para estadas de longa duração, em situações onde se comprovem seus aportes ao país”, acrescentou.

Economia Solidária – Manoel Dias permanece na França para reuniões bilaterais com o governo francês. Estão previstos dois dias de encontros com a participação da Secretária de Estado do Comércio, Artesanato e Economia Social Solidária, do governo francês, Carole Delga. O secretário brasileiro de Economia Solidária, Paul Singer, também participa das reuniões, que acontecem no âmbito do acordo de cooperação celebrado entre os dois países em 2013. Brasíl e França apresentarão resultados e iniciativas na área da economia solidária e estabelecerão uma agenda conjunta de cooperação para o ano de 2015.

Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego

Fonte: http://www.pelegrino.com.br/noticias/ver/2014/12/04/brasil-debate-na-franca-a-perda-de-talentos-para-outros-paises

Data da noticia: 04/12/2014

Anúncios

Sobre André Zanoti

É mestre em Direito, pelo Centro Universitário Eurípides de Marília - UNIVEM (2008), especialista em Política e Estratégia pela Universidade de São Paulo – USP (2004), especialista em Direitos Especiais pelo Centro Universitário Eurípides de Marília – UNIVEM (2002), graduado em Direito pela Universidade de Marília – UNIMAR (1999). Concluiu o ensino-medio na Fox Lane High School – Bedford/New York (1992). Foi editor do Boletim Desafio e membro do corpo editorial da Revista Direito e Análise. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Constitucional, Internacional, Sociologia, Sociologia Jurídica, Ciência Política e Teoria Geral do Estado e Direito Civil. Atua principalmente nos seguintes temas: Crítica aos Fundamentos da dogmática jurídica, principiologia do Direito e construção do saber jurídico. É advogado associado do escritório Zanoti e Almeida Advogados Associados, inscrito na OAB/SP sob o número 5.222, desde 2000 e do escritório Pradella e Zanoti, em Ourinhos. Possui formação em Programação Neurolinguistica, pelo Southern Institute of Neurolinguistic e em Empreendedorismo – EMPRETEC/SEBRAE, e ministra cursos, palestras e treinamentos à pessoas jurídicas de direito público e privado, nas áreas de coaching, gestão administrativa, capacitação corporativa, liderança, negociação, formação e gerenciamento de equipes, oratória entre outros. Atualmente, é vice-presidente da ONG Associação Ambientalista de Defesa da Bacia Hidrográfica do Vale do Paranapanema - ADERP, membro do Conselho Municipal do Meio Ambiente de Assis - CONDEMA, e membro da câmara técnica de capacitação, mobilização e educação ambiental do Comitê da Bacia Hidrográfica do Médio Paranapanema – CBH-MP.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s